5 coisas que você deve parar de fazer agora se você investe em ações

Todo mundo que investe em ações, gosta de dar e receber várias “dicas” e instruções do que fazer.

As corretoras, as casas de research, os perfis do twitter e instagram, blogs, etc. estão o tempo todo lhe dando informações do tipo: “compre tal ação; siga a carteira recomendada; aprenda como escolher boas empresas; compre a x e venda no preço alvo y; etc.” Ou seja, estão sempre lhe propondo “ações” para fazer.

Mas você já parou para pensar o que NÃO deve fazer quando investe em ações??

O investidor que quer ter sucesso a longo prazo, deve aprender que tem coisas que não se deve fazer, que são tão, ou mais importantes, do que as “ações” de fazer.

Vamos lá!!

1. Não invista seu dinheiro de uma vez só. Faça compras constantes

Muita gente entra no mercado de ações de maneira totalmente errada. Separam um dinheiro para investir e compram tudo de uma vez. Daí ficam aguardando para ver o que vai acontecer e torcendo para que os preços subam. É mais torcedor do que investidor. Isso é totalmente equivocado e pode levar a prejuízos talvez nunca mais recuperáveis.

O investimento em ações deve ser um processo contínuo, com uma certa periodicidade. Nunca de uma vez só.

Mas por que isso?

Quando você investe de uma vez só, corre o sério risco de ter comprado a preços elevados, que depois venham a cair e demorem muito para se recuperar (e se recuperar). Além da pressão psicológica de ver o seu dinheiro todo investido “derretendo”. Isso, com certeza, vai fazer você vender com grande prejuízo por não aguentar mais.

Mesmo que você tenha recebido uma bolada de uma vez e quer investir esse valor em ações, coloque esse valor em renda fixa e vá comprando aos poucos, todo mês. Divida em 18, 24 meses (o ideal é até mais) e, com isso, você estará comprando a diversos preços.

Sei quem a ansiedade de investir um valor alto logo é grande, mas o mercado não é o lugar de curar ansiedade. Na verdade ela pode piorar, e muito. Por que se você investe tudo de vez, a tensão com qualquer “quedinha” será gigante.

Quando você faz aportes periódicos, você começa com menos dinheiro, o que diminui a tensão. Além de comprar a diversos preços e mesmo quando cair você estará investindo. Ajuda, também, a diversificar, pois tem mais tempo de estudar e escolher mais e melhores empresas. E ainda dá tempo de ir se acostumando com as oscilações do mercado.

Os benefícios são inúmeros.

Portanto, procure investir em ações de maneira periódica e constante. Isso poderá evitar perdas irreversíveis.

2. Não compre ações só porque caiu

Esse é um erro que muita, mas muita, gente comete.

Você começa a olhar uma ação para comprar e descobre que há pouco tempo ela custava 30 reais e agora está a 15. Uma outra você ja teve a 30, vendeu por 40 e agora está 15. Esse valores mais altos causam um “efeito de ancoragem”. Esse efeito é descrito no Wikipedia como um viés cognitivo que descreve a comum tendência humana para se basear de forma intensa, ou de se “ancorar”, a uma característica ou parte da informação recebida, quando em processo de tomada de decisão. Dito de outra forma, designa a dificuldade de alguém em se afastar da influência de uma primeira impressão. No caso aqui relatado, o indivíduo fica com esse valor na cabeça (30 reais) e tem “certeza” que a ação voltará a esse preço.

Na maioria das vezes, a única coisa que se sabe da empresa é o preço que já valeu e o que ela vende. E, para confirmar o seu viés, se alimenta de diversas teorias de que o negócio é bom, que o mercado exagerou na queda e logo voltará a crescer. “Não tem como não subir!!”

E o pior, acredita que só você esta enxergando aquela oportunidade. Que todo o mercado é burro (menos você) e, por isso, vai comprar antes que os outros descubram essa “pechincha”.

Daí vem a realidade…. o preço não sobe, na verdade o que era 15 passa a valer 10, e você não entende o que está acontecendo. “Não é possível que ninguém enxerga isso. Vou comprar mais”. Faz preço médio cada vez mais para baixo, até que não aguenta mais o prejuízo e vende. “Sabia que essa m…. é um cassino. Quero saber de ações mais não. Vou continuar na minha renda fixa e só”.

Esse é um dos motivos, talvez o maior deles, que afasta as pessoas do mercado de ações. Comprar só porque caiu, achando que vai recuperar logo, e ficar na torcida não funciona. (mais uma vez, bolsa de valores não é lugar para torcedor). Aí, continua caindo, vende no prejuízo, bota a culpa no mercado e desiste.

NUNCA compre ações só porque caiu. Pare de fazer isso agora!!

3. Não compre códigos de ações. Seja sócio de empresas

Você entra no home broker e fica enfeitiçado pelos números, cores e códigos piscando na sua tela. Olha um gráfico, alguma dica de amigo ou alguma recomendação de corretora, escolhe a ação e manda a ordem de compra. “Comprei ABCD3”.

Mas você tem o mínimo de conhecimento sobre a empresa “ABCD S/A”?

Digamos que você quer ser sócio de uma padaria. Você chega para o dono da empresa, diz que gosta dos pães deles, que acha o ponto bom e que quer investir no negócio. Ele diz o preço da parte que você quer comprar e você paga. 

Seria assim que você investiria o seu dinheiro nesse negócio? Não iria analisar se dá lucros, se tem dívidas, se a gestão é boa, etc.?

Muita gente compra uma ação e não sabe nada da empresa. Mal sabe o que a empresa vende ou faz. Não sabe se o negócio é lucrativo e gera dinheiro. Não sabe se a empresa não tem dívidas e é bem gerida. Ou seja, não tem dados nenhum da empresa. Apenas acha a empresa “legal”, geralmente indicada por um amigo, ou “especialista”, que diz que está barata. Daí você vai e compra. E torce! “Bora minha ação!! Sobe!! Pqp, caiu pq?” É um verdadeiro cassino, um jogo de apostas, ou seja, uma fábrica de perder dinheiro. 

Mas o mercado de ações não é lugar para torcedor. No curto prazo as ações variam por diversos fatores (notícias, decisões políticas e econômicas, negociações de um grande acionista, etc) é quase que um cassino, um jogo, uma aposta. No longo prazo, os valores das ações acompanham os lucros da empresa. O que é óbvio, já que ações são “pedaços” das empresas. Ao comprar ações de uma empresa, você se torna sócio dela. Um pedacinho da empresa é seu.

Observe nos gráficos abaixo como a curva de cotação tende a ter a mesma direção da curva de lucros.

Fonte: http://www.sunoresearch.com.br/acoes/
Fonte: http://www.sunoresearch.com.br/acoes/
Fonte: http://www.sunoresearch.com.br/acoes/
Fonte: http://www.sunoresearch.com.br/acoes/

(Obs: não identifiquei quais as ações para não influenciar decisões de compra/venda. O blog serve para ensinar. Não para indicar.)

Portanto, esqueça ABCD3, estude a empresa ABCD S/A e, a partir daí, decida se tornar sócio ou não.

4. Pare de seguir carteira recomendada

Isso vale também para dicas de amigos.

Seja o protagonista na escolha de suas ações. Saiba porque você decidiu investir naquela empresa. Seguir carteira recomendada é o mesmo que dar o seu dinheiro para os outros investirem por você. Pare com isso agora!

Observe como a carteira recomendada de corretora, ou de casas de research, mudam o tempo todo, muitas vezes até semanalmente. Isso vai totalmente de encontro a se tornar sócio de empresas e ao investimento a longo prazo. Ninguém vai ganhar dinheiro pulando de galho em galho toda semana. Isso é enganação. Essa troca de ações o tempo todo só gera dinheiro para a corretora. Te garanto que, seguindo recomendações, você nunca vai construir patrimônio consistente e logo vai pular fora do mercado, pois não sabe o que está fazendo. Não tem segurança do motivo de ter se associado àquela empresa. Na hora que o prejuízo vier (e vem) vai botar a culpa no mercado e na corretora, e vai voltar com o rabo entre as pernas pra poupança.

Mas eu não sei como escolher ações e não tenho tempo para isso.

Não sabe e não tem tempo porque acha que é complicado. E não é por acaso que os analistas querem que você acredite ser complicado. Afinal, se você aprender, vai querer pagar alguém para fazer por você? Não! Não vai precisar mais.

Leia esse post (Como analisar ações de maneira simples e eficaz) e aprenda uma maneira simples e muito eficaz de se escolher empresas para investir.

Depois de passar por diversas escolas (análise técnica, trader, fundamentalista, valuation, etc) fui descobrindo que o melhor é fazer o simples. E pretendo simplificar ainda mais. Sério! Já uso esse método há alguns anos e é a melhor coisa que você pode fazer nos seus investimentos em ações. Aprendi ele no Bastter.com, site que recomendo fortemente. Atualmente não tem site melhor para fazer análise de empresas.

Depois de estudar um pouco e escolher as ações, você só precisará dar uma olhada nas suas empresas uma vez por ano, quando sair o balanço anual. Seu tempo deve ser dedicado ao seu trabalho e a sua família, que geram as suas verdadeiras riquezas.

Outra coisa. Não é porque a empresa teve um ano pior (ou alguns anos) que deve sair vendendo. TODA empresa passa por períodos ruins. Se não se sentir confortável, pode até não comprar mais durante um período, deixando de quarentena, e aportar em outras empresas. Se sair vendendo em qualquer sinal de dificuldade, nunca conseguirá multiplicar o seu capital.

Voltando ao tempo de dedicação aos mercados. Garanto que não precisa se ocupar muito, para ter sucesso a longo prazo. Um pouco de estudo e dedicação inicial para aprender, e acompanhamento algumas horas (ou minutos) por ano já serão suficientes.

Claro que você pode gostar de estudar um pouco mais, e isso não tem problema nenhum. Eu mesmo gosto de analisar e entender mais do negócio de algumas empresas, mas como hobby, e até para criar conteúdo, porém não muda em nada o meu processo de escolha. Cada vez mais me convenço de que o simples é o melhor.

Então, NUNCA siga carteira recomendada ou dicas. Seja protagonista dos seus investimentos. Cuide você mesmo do seu dinheiro. E para isso, não precisa ser nenhum gênio do mercado financeiro. Basta estudar um pouco e se dedicar um tempo por ano.

E como diz Peter Lynch, um dos maiores investidores de todos os tempos: “a regra número 1 do meu livro é a seguinte: pare de ouvir os profissionais! Vinte anos nesse negócio me convenceram de que qualquer pessoa normal, utilizando os convencionais 3% do cérebro, pode escolher suas ações tão bem quanto – se não melhor – um especialista de Wall Street.”

5. Esqueça a bolsa de valores

É isso mesmo que você acabou de ler. Esqueça a bolsa de valores. Ficar acompanhando preços de ações, não serve para nada. A não ser para perder dinheiro.

(clique e veja, nesse post, porque a bolsa de valores é a matrix do mercado financeiro)

Voltando ao exemplo da padaria que você acabou de se tornar sócio da maneira correta, depois de ler o item 3 desse artigo. Você estudou o negócio, viu que valia a pena ser sócio, foi lá e comprou algumas ações.

Agora, todo dia, toda hora, todo minuto, você liga para os contadores da padaria para saber quanto está custando aquele negócio. Se estiver valendo um pouco a mais do que você comprou, já pensa em vender pra fazer lucro? Ou se estiver abaixo do valor, você procura vender pra evitar maiores prejuízos? É assim que você faz quando é sócio de alguma empresa? Creio que não, né? E por que quando compra ações na bolsa você faz isso? Fica o tempo todo medindo seu o lucro, ou o seu prejuízo, para ver se toma alguma decisão, de compra ou de venda.

Você só faz isso porque existe a bolsa de valores. E ela existe para, juntos com outros agentes do mercado, lhe causar a falsa ilusão de enriquecimento rápido. Além lhe causar ansiedade que, junto com a aversão a perdas inerente do ser humano, vai fazer você vender quando cair ou realizar lucro rapidamente numa pequena alta.

O modelo do mercado de ações (e do home broker) foi desenhado para lhe causar vício. Como um vídeo game ou outros jogos de azar. Luzes piscando de várias cores, números mudando a todo segundo, visualização fácil das oscilações do seu patrimônio, várias estratégias automaticas de compra e venda, como o “stop, tudo isso feito para você operar cada vez mais e gerar lucro para o sistema e as corretoras.

Como se livrar disso?

Posso lhe dizer, por experiência própria, que é muito difícil largar o vício de acompanhar o mercado.

Até alguns anos atrás, eu deixava uma tela ligada no home broker o tempo todo. Não me contentando com o funcionando da bolsa de valores no horário brasileiro, várias vezes acordava de madrugada para olhar as bolsas asiáticas, que poderiam refletir na bolsa do Brasil no dia seguinte. Isso não foi bom, nem pro meu bolso, nem para a minha ansiedade.

Atualmente, que já incorporei totalmente o buy and hold (compra de ações para loooongo prazo), ainda me pego olhando uma vez por semana, às vezes fico 15 dias sem olhar, e minha meta é só olhar uma vez no mês, quando for fazer meu aporte mensal.

Se você não consegue parar de olhar cotação, então comece apagando os apps do celular que acompanham o mercado financeiro e, também, o app da corretora. Quando precisar comprar, entre no site da corretora pelo computador, ou pelo próprio navegador do celular, compre e feche.

É sério! Se você não parar de olhar cotação, uma hora vai vender apenas pelo preço da ação e não pelo valor da empresa. Não adianta você montar uma estratégia de longo prazo, dizer que comprou para se aposentar e ficar olhando todo dia (toda hora, todo minuto). O longo prazo é amanhã?

O vício, a ansiedade, o estresse e a euforia dos mercados diários irão acabar com a sua estratégia. No final, vai sair com um prejuízo imenso e voltar para a poupança. E, como sempre, a culpa será do mercado.

Isso também serve para as notícias. Pare já de acompanhar notícias sobre os mercados. Ou elas são de fatos que já ocorreram, o que não ajuda em nada, ou são previsões e opiniões políticas, econômicas, etc. que também não servem para nada. É tudo lixo. Notícias causam o mesmo efeito de acompanhar cotações. Geram ansiedade e, com isso, mais negociações, que só vão lhe trazer prejuízos e atrapalhar a sua formação de patrimônio a longo prazo.

“Não dê ouvidos a previsores econômicos ou a previsores nas ciências sociais (eles são meros fornecedores de entretenimento), mas faça sua previsão para o piquenique.”

Nassim Nicholas Taleb. A lógica do Cisne Negro: O impacto do altamente improvável 

Conclusão

Todas esses erros que hoje prego para você não fazer, eu já fiz, e muito! Já coloquei todo meu dinheiro numa ação só, já comprei diversas ações só porque caiu e torcia para subir, já comprei ações sem nem saber de qual empresa era, já segui muitas carteiras recomendadas e já acompanhei o mercado e notícias a cada minuto.

Mas como diz o velho ditado: vivendo e aprendendo. Na época eu não tinha quem me desse esse “toque” e tinha outra visão do mercado. Felizmente, vocês não precisarão descobrir isso por si só. Sei que muitos preferirão cometer os erros e aprender com eles, o que não é ruim, desde que realmente aprenda, perca pouco e não seja expulso do mercado de vez.

Ainda, terão muitos que mesmo tomando porrada, continuarão insistindo, perdendo, colocando mais dinheiro e continuando no “game”. Sabemos que vícios são difíceis de largar e podem fazer muito mal. E não só para a sua vida financeira. Dinheiro é recuperável, algumas outras coisa, não.

Te garanto, que se você aprender a não cometer esses erros, verá o mercado de outra forma. Não como torcedor, mas como investidor. E conseguirá formar um bom patrimônio no longo prazo.


Se você conhece alguém que investe em ações, compartilhe esse artigo. São informações que irão fazer diferença na vida do investidor.

Dúvidas ou comentário, escreva abaixo que responderei.

Um comentário em “5 coisas que você deve parar de fazer agora se você investe em ações

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s